Projeto Olhos da Serra engaja membros da comunidade em ações culturais e patrimoniais da Serra do Japi

Divulgação

As pessoas se surpreendem quando descobrem a quantidade de iniciativas que nascem aos pés da Serra do Japi, respeitando o meio ambiente e garantindo renda a profissionais super talentosos. “Moramos em chácara, somos privilegiados com a tranquilidade que a natureza nos proporciona, e neste cenário damos vida a projetos incríveis, que hoje estão sendo reconhecidos e ganhando visibilidade pelo Projeto Olhos da Serra”, foi assim que Silvana Gobo, artista que faz pinturas em madeira, reflete sobre a comunidade do entorno da Serra do Japi.

E esta é uma das metas do Projeto Olhos da Serra, que promove o engajamento dos expositores, membros da comunidade que vivem próximos a Serra do Japi, nas ações de sensibilização de moradores, comunidade local, órgãos gestores e turistas, com o objetivo de estimular mais ações de conservação ambiental na Serra do Japi. 

“Estes expositores estão sendo envolvidos nas nossas ações e nas nossas iniciativas. Parte da Serra é privada e composta de pessoas que também têm suas demandas e produzem conhecimento, produtos e ações de extrema relevância para compor cultura e patrimônio da Serra”, explica Silvia Merlo, diretora da Associação dos Amigos dos Bairros de Santa Clara, Vargem Grande, Caguassu e Paiol Velho (SAB Santa Clara).

Ela ainda reforça a importância de acionar mais produtores e artesãos. “Dessa forma, queremos que se sintam parte integrante do desenvolvimento sustentável da Serra do Japi”.

A expositora Marelisa Castaldo Marigo produz chocolates e biscoitos e acredita nessas ações para aumentar a comunicação e interação entre vizinhança. “Isso ajuda muito a economia e venda local. Minhas expectativas são de que esse projeto continue sempre. Temos muito potencial aqui”.

Já Claudete Gobo, que trabalha com patchwork, conta como esta ação possibilita a aproximação entre expositores. “Temos a oportunidade de nos conhecer, saber mais sobre as demais produções e compartilhar nossas facilidades e dificuldades. Desta forma podemos criar e fortalecer a nossa rede”.

Elver Lucio Maschia, produtor de mel e proprietário do Sitio Serra das Paineiras, reforça que quem precisa sobreviver da sua propriedade, deve fazê-lo sempre respeitando o meio ambiente. “O trabalho tem que ser em cooperativismo. Mostrar o trabalho da comunidade é essencial e ter uma exposição desse trabalho de forma periódica é importante para nosso trabalho ser mais conhecido”.

Autor Redação Mães de Jundiaí

Redação Mães de Jundiaí

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.