‘Abril Indígena’ oferece bate-papo, show e sessões de cinema no Sesc Jundiaí

Divulgação

Projeto ‘Abril Indígena’, ação em rede do Sesc SP que valoriza e difunde a diversidade dos povos indígenas no Brasil chega à sua quarta edição. Em 2022, o objetivo do projeto é dar visibilidade à presença de povos originários em territórios onde estão inseridas as unidades do Sesc no estado. A programação reúne bate-papos, oficinas, atividades artísticas, séries, documentários e apresentações presenciais e on-line durante o mês inteiro.

No Sesc Jundiaí, acontecem as sessões de cinema ‘A Última Floresta’, no dia 19, e ‘A Febre’, no dia 26. No dia 28, é hora de bate-papo e show com o tema ‘Jundiaí Terra Indígena’.

De acordo com o Censo do IBGE de 2010, há 305 etnias indígenas no Brasil, falantes de 274 línguas, somando uma população de cerca de 900 mil pessoas. Esse estudo apontou que 5% dessa população habita o estado de São Paulo, contabilizando 41.794 indígenas. A maior parte desse contingente (91%) vive em zonas urbanas, em territórios fora de Terras Indígenas – sendo marcante a migração de etnias oriundas do Nordeste. O restante, cerca de 6.963 pessoas, reside em Terras Indígenas localizadas na faixa litorânea, no Vale do Ribeira, no oeste do estado e também na região metropolitana de São Paulo.

Apesar da violência da colonização, os indígenas seguem circulando e atualizando seus saberes e fazeres em SP. Nesse sentido, o Abril Indígena deste ano pretende colaborar para a desconstrução da ideia estereotipada do indígena selvagem e isolado que vive em terras distantes incrustadas nas florestas, revelando a atualidade e dimensão local de suas existências, resistências, demandas, saberes e fazeres.


Confira as atrações do Sesc Jundiaí e reserve sua agenda:      


Cinema

A Última Floresta

Direção: Luiz Bolognesi, 2021, Documentário/Drama, 74 min.

Em uma tribo Yanomami isolada na Amazônia, o xamã Davi Kopenawa Yanomami tenta manter vivos os espíritos da floresta e as tradições, enquanto a chegada de garimpeiros traz morte e doenças para a comunidade. Os jovens ficam encantados com os bens trazidos pelos brancos e, Ehuana, que vê seu marido desaparecer, tenta entender o que aconteceu em seus sonhos.

Dia 19/4. Terça, 20h
 Teatro | 220 lugares | 14 anos | Grátis
 Retirada de ingressos 1h antes, na Central de Atendimento

A Febre

Direção: Maya Da-Rin, 2019, Drama/Ficção, 98 min.

A Febre acompanha Justino (Regis Myrupu), um índio de Manaus, Amazonas que há 20 anos vive na cidade grande, trabalhando agora como segurança no porto local. Sua filha Vanessa (Rosa Peixoto) trabalha em um posto de saúde e acaba de passar para a faculdade de Medicina, na Universidade de Brasília. Insegura entre seguir seu sonho e deixar seu pai, ela precisa ainda lidar com uma estranha febre.

Dia 26/4. Terça, 20h
 Teatro | 220 lugares | 10 anos | Grátis
 Retirada de ingressos 1h antes, na Central de Atendimento.

Bate-papo e Show

Jundiaí Terra Indígena

Bate-papo com Andrey Guaianá Zignnatto e Katu Mirim, indígenas e artistas de Jundiaí de diferentes contextos, que compartilharão com o público histórias sobre seus trabalhos, vivências, ancestralidade e os desafios para a existência e fortalecimento das identidades e tecnologias dos povos originários num país que insiste, secularmente, em violentar e exterminar suas raízes. Ao final, Katu Mirim apresentará algumas das faixas de seu novo álbum ‘Revolta’.

Andrey Guaianá Zignnatto é artista plástico e ativista social, indígena de etnia Tupinaky’ia da família Guaianá e Guarani.

Katu Mirim é rapper, cantora, compositora, atriz e ativista da causa indígena.

Dia 28/4. Quinta, 20h
 Teatro | 220 lugares | Livre | Grátis
 Retirada de ingressos 1h antes, na Central de Atendimento.
 Duração estimada: 90 minutos


A identidade visual desta edição do Abril Indígena traz a obra “Brasil Terra Indígena”, gentilmente cedida pelo artista Denilson Baniwa. Você pode saber mais sobre ela aqui.

Conheça a programação completa do projeto em sescsp.org.br/abrilindigena

O que é necessário para acessar a unidade:  

Pessoas com mais de 12 anos devem apresentar comprovante de vacinação contra covid-19, evidenciando duas doses ou dose única. 

Crianças de 5 a 11 anos devem apresentar comprovante vacinal de uma dose (conforme calendário do município).

Os comprovantes podem ser em formato físico (carteirinha de vacinação) ou digital acompanhado de documento com foto.    

O uso da máscara é recomendado durante a permanência na unidade.

Em caso de atividade que exija ingressos, será necessário apresentar o ticket com QR Code na entrada do evento.

Retirada de ingressos  
 Bilheteria física: Avenida Antônio Frederico Ozanan, 6600, Jardim Botânico, Jundiaí

Autor Redação Mães de Jundiaí

Redação Mães de Jundiaí

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.