Crônicas de uma sala de aula

Freepik

Quem nunca esteve em uma sala de aula, não sabe o que é ser professor. E, principalmente, professor de séries iniciais. Sabe aquela conversa de canto de ouvido que as crianças fazem pensando que ninguém escuta? É exatamente disso que se trata esse texto…

Um dia durante minhas aulas de inglês para o 1º ano, perguntei aos meus alunos em qual dia faziam aniversário.

Muitos responderam com segurança o dia e o mês; outros só sabiam o mês ou perto de qual data comemorativa festejava. E os que não faziam nem ideia? Estavam na sala também!

A pergunta despertou um burburinho na sala. Crianças se levantavam, apontavam para o calendário, gritavam nomes de meses e dias com o intuito de serem ouvidas.

No meio de tudo isso, avistei dois alunos discutindo sobre um tema: Festas de aniversário!

Um deles dizia que havia ido ao aniversário do amigo duas vezes no mesmo ano. Já o outro afirmava que isso era completamente impossível!

A primeira coisa que senti foi curiosidade para saber como a conversa terminaria. Mas aos poucos percebi que não chegariam à conclusão alguma.

Antes que o assunto viesse para mim, decidi chamar a atenção de todos e fiz a pergunta: Alguém sabe quantas vezes fazemos aniversário no ano?

Neste momento muitos alunos me olharam com surpresa. Nunca haviam recebido uma pergunta como essa.

Acredito que para alguns a resposta era óbvia. Para outros, nem tanto.

Imagine vinte e cinco crianças de 6 anos gritando ao mesmo tempo! Eu, sem compreender uma palavra, comecei a refletir como nada é óbvio para uma criança e que por muitas vezes deixamos de explicar algo simplesmente por pensar que ela já sabe!

Quantas vezes recebemos perguntas de nossos filhos e respondemos em instantes. Mas, e se fôssemos nós que assumíssemos o papel de fazer perguntas? O quão bom seria para o desenvolvimento das nossas crianças?

Voltando à aula… chegamos por consenso que fazemos aniversário uma vez ao ano (ufa!), mas a pergunta deixada para pesquisa foi: Como é definida a data de meu aniversário? Posso mudá-la?

——

Que esse texto te inspire a fazer mais perguntas e estimular o raciocínio e o pensamento lógico de uma criança sempre que possível.

Um abraço,

Letícia

Autor Leticia Schmidt

Mãe do Rafael de 13 anos e da Amanda de 10, formada em Letras e Pedagogia com Pós-graduação em Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa. Atualmente mora com a família no México e participa de um trabalho voluntário como contadora de histórias para escolas públicas da região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *