5 dicas de ouro para os parceiros ajudarem na rotina do bebê

Divulgação

Quando falamos em parentalidade e cuidados com o bebê, a primeira imagem que nos vem à cabeça é a mãe. Especialmente, quando o tema é amamentação, somos automaticamente direcionados à figura da mulher em um momento de intenso aprendizado. Mas já parou para pensar no papel do parceiro no apoio à amamentação? De acordo com uma pesquisa realizada por Philips Avent, com mais de 4 mil usuários do aplicativo Gravidez + no mundo, 81% das mães afirmaram que o cônjuge gostaria de estar mais envolvido nesta jornada. “Muitas vezes, se sentem inseguros em se aproximar, não sabem como ajudar nesse momento, por falta de informação ou até mesmo por não se sentirem incluídos na rotina do bebê, já que nas primeiras semanas de vida, o bebe está dormindo ou mamando”, comenta Eneida Souza, enfermeira pediatra e consultora em aleitamento materno parceira de Philips Avent.

O estudo, que teve como ponto central o olhar da mulher em relação ao parceiro e ainda trouxe um recorte Brasil, revela que eles estão envolvidos em confortar e cuidar do bebê (72,18%), mas menos da metade ajuda a armazenar o leite, limpar extratores e esterilizar as peças (25,81%) e/ou a pesquisar sobre como alimentar a criança quando para a mãe não é possível amamentar (25,81%). Neste cenário, a pesquisa mostra ainda que as mães querem que os seus parceiros se envolvam mais, principalmente, em seus momentos de descanso, necessário para manter a produção de leite materno.

“Você percebe que os pais estão mais presentes na rotina da amamentação do bebê e buscam informações para entenderem como podem apoiar as mães, uma vez que, no estudo, 88,69% das mulheres entendem a necessidade de terem mais orientações sobre como seus parceiros podem assumir um papel ativo na amamentação. Falta conteúdo direcionado aos parceiros e rede de apoio e isso é fundamental para dividir a responsabilidade, consequentemente diminuir a pressão sobre a mãe”, explica Eneida.

O envolvimento do parceiro traz muitos benefícios para família: ajuda a estreitar o vínculo, desenvolve a parceria nos cuidados e educação, tem um impacto grande na valorização das tarefas com o bebê e casa, aumenta o vínculo do casal, contribui para um comunicação efetiva e oferece a oportunidade para o parceiro desenvolver o seu mais novo papel.

Veja algumas dicas de como estar mais presente na rotina da mãe e do bebê.

1. Divida responsabilidades no cuidado com o bebê e dê suporte nas horas de descanso da mãe.

2. Ajude na rotina de limpeza dos utensílios utilizados pelo bebê, como, por exemplo, os extratores de leite, potes de armazenamento, esterilizador.

3. Nas primeiras semanas de amamentação lembre a mãe de comer, descansar e amamentar. O restante o parceiro e toda a rede de apoio podem fazer.

4. O parceiro e rede de apoio devem evitar palavras, opiniões, exemplos negativos sobre a amamentação. Importante lembrar que cada bebê é único, cada amamentação é única.

5. Amamentar não é instintivo, amamentar requer aprendizado e dedicação. A mãe precisa ser acolhida, cuidada incentivada. Se o parceiro e rede de apoio cuidar da mãe, com certeza o bebê estará bem cuidado, com produção de leite materno para atender as suas necessidades.

Autor Redação Mães de Jundiaí

Redação Mães de Jundiaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *