Outubro Rosa: Médico oncologista do São Vicente alerta para importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

Imagem: Freepik

O câncer de mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo. Só no Brasil, a taxa de mortalidade é de 13,84 por 100 mil habitantes. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, cerca de uma a cada 12 mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos de idade. Celebrada neste mês, a campanha de conscientização e prevenção da doença, Outubro Rosa, já começou no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV).

O médico oncologista, Dr. Arthur Maia Filho, explica que as consultas e os exames devem ser realizados todos os anos, já que as chances de cura estão diretamente ligadas ao diagnóstico precoce. “Quando detectamos um tumor indolente, em fase inicial, as chances de cura são de 100%. Se não identificado, o tumor vai ficando agressivo, vai se disseminando e nessas condições não há mais nada que possamos fazer. Aqui no Hospital São Vicente, felizmente, temos uma taxa de 80% de cura das pacientes que acompanhamos”.

O profissional conta que a maior incidência é em pacientes acima dos 50 anos, mas o dado não descarta que a doença seja detectada em jovens.  Ainda que seja raro e atinja somente 1% da população, o câncer de mama também acomete os homens.

 Dr. Arthur destaca a importância de fazer o autoexame, mas que a prática não substitui os exames clínicos como à mamografia, sendo fundamental que sejam realizados periodicamente. Após a confirmação do diagnóstico, por meio de biopsia, o paciente é direcionado ao tratamento necessário. Ainda que seja raro e atinja somente 1% da população, o câncer de mama também acomete os homens.

O tratamento, assim como nas mulheres, é feito por meio de radioterapia, que utiliza radiações ionizantes para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem, quimioterapia, que conta com medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais e a hormonioterapia, que consegue inibir o crescimento de um tumor específico e a morte das células cancerosas, também por meio de medicamentos.

Hoje, 18 pacientes estão em tratamento de radioterapia no São Vicente e 167 em quimioterapia, por meio do Instituto de Oncologia Marcello Fanelli. “A cirurgia é um dos métodos de tratamento mais comuns para o câncer de mama. Normalmente, só após o procedimento é que iniciamos as outras formas de tratamento. A prevenção não deve se restringir a um único mês, precisamos desse engajamento sempre”, reforça o médico.

Autor Redação Mães de Jundiaí

Redação Mães de Jundiaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *