Volta às aulas presenciais: Como se preparar enquanto o calendário não é definido?

Enquanto o cenário em relação ao retorno das aulas presenciais na rede pública é de incertezas, gestores educacionais, coordenadores pedagógicos e professores aguardam com cautela a decisão dos governos. Para apoiar neste momento, instituições da área oferecem subsídios para uma retomada que garanta o direito à educação com toda segurança que o momento exige.

O ensino híbrido, combinando atividades presenciais e remotas, é apontado como uma alternativa para uma retomada gradual, já adotada em outros países. Para isso, uma das principais recomendações, baseadas em experiências internacionais, é a formação dos profissionais da educação sobre o uso da tecnologia e de instrumentos de monitoramento das atividades realizadas.

“Cada estado e seus municípios deve considerar a situação da pandemia para a decisão de retomada das aulas. Porém, os profissionais de educação, dentro da sua realidade, precisam atuar para garantir que professores e estudantes sejam recebidos em um ambiente acolhedor e seguro, com um planejamento pedagógico que considere todos os alunos e as desigualdades ao acesso do ensino remoto”, explica a gerente de Implementação do Itaú Social, Tatiana Bello.

Cursos de apoio ao planejamento da retomada das aulas presenciais

  • Retomada às atividades presenciais com foco em equidade: a proposta é preparar as secretarias municipais e estaduais para pensarem e planejarem ações de aprendizado com o foco na equidade. Promove reflexões sobre os diversos tipos de desigualdades que foram acentuadas durante a pandemia e evidenciadas no período. A formação do Itaú Social está disponível para dirigentes municipaisestaduais e arranjos intermunicipais.
  • Reabertura das escolas e atividades pedagógicas não presenciais durante o isolamento: tem como foco apoiar um planejamento que vise o enfrentamento de questões essenciais para garantir o direito à educação com segurança, considerando todas as variáveis envolvidas no planejamento de um retorno às aulas. Esta formação também está disponível para dirigentes municipaisestaduais e arranjos intermunicipais.
  • Mapas de Foco da BNCC: O conteúdo ajuda a identificar as aprendizagens e habilidades prioritárias para o avanço dos estudantes, apoiando a flexibilização curricular e a construção de processos de combate à defasagem e de garantia das aprendizagens. O material foi criado em parceria com o Instituto Reúna e contempla o Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) nos componentes de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia.

Publicações de referência sobre o retorno das atividades pedagógicas nas escolas

Recomendações para a reabertura das escolas – Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF)

Diretrizes para protocolo de retorno às aulas presenciais – Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED)

Educação e Coronavírus – Reabertura das Escolas Parte 1 e Parte 2 – Vozes da Educação

Subsídios para elaboração de protocolos de retorno às aulas presenciais na perspectiva das redes municipais de educação – União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME)

Protocolo de biossegurança para retorno das atividades nas Instituições Federais de Ensino – Ministério da Educação

Guia COVID-19. Reabertura das Escolas – Campanha Nacional Pelo Direito à Educação.

Protocolos sobre Educação Inclusiva durante a Pandemia da COVID-19 – Instituto Rodrigo Mendes

Políticas Educacionais na Pandemia da Covid-19: O que o Brasil pode aprender com o resto do mundo? – Banco Mundial

Autor Redação Mães de Jundiaí

Redação Mães de Jundiaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *